jusbrasil.com.br
7 de Agosto de 2022

Como reduzir a alta rotatividade de advogados em escritórios de advocacia

Lisandra Thomé , Advogado
Publicado por Lisandra Thomé
há 6 anos

Como reduzir a alta rotatividade de advogados em escritrios de advocacia


Escritórios de advocacia podem ser vistos como organizações. Daí a importância de falarmos sobre relações organizacionais para escritórios e como reduzir o turnover, ou em português, a rotatividade de advogados, um problema crescente em escritórios.

O fato é que um escritório que possui uma alta rotatividade de advogados acaba tendo uma visibilidade negativa no mercado (pois os advogados se falam), além de grandes perdas com dimensões não só financeiras, mas de conhecimento, tempo e produtividade.

Um grande desafio para escritórios que desejam crescer e ter sucesso é fazer com que os seus colaboradores façam parte de uma equipe de trabalho motivada, isto é, que gostem de fazer parte do escritório porque ele também contribui para o seu sucesso pessoal.

Assim, não basta somente o pagamento de um salário no final do mês. É importante que o escritório esteja preocupado com o que é importante para os seus advogados e que proporcione a eles a possibilidade de atingirem os seus objetivos pessoais também.

Escritórios que são administrados de forma autoritária e coercitiva, cujas recompensas se limitam ao cunho financeiro, sem se atentarem às necessidades de cunho pessoal dos advogados, onde não se permite qualquer tipo de participação dos associados nas tomadas de decisões e cujas atividades exercidas são repetitivas e rotineiras, precisam ter a sua forma de administração revista e alterada, caso desejem reter advogados e evitar o turnover.

E como fazer isso?

Mudar essa cultura de organização não é uma tarefa fácil, mas pode ser solucionada por meio de uma mudança na forma de gestão organizacional.

Abaixo, algumas dicas de como fazer isso:

1. Conheça a sua equipe

Muitos donos e sócios de escritórios entendem como perda de tempo e totalmente desnecessário conhecerem os seus advogados. Porém, conhecer a sua equipe e o perfil de cada profissional que trabalha para o seu escritório é de suma importância para o sucesso do seu negócio.

Caso você não tenha tempo para fazer isso, existem profissionais e empresas de consultoria especializadas em gestão legal que fazem esse tipo de trabalho.

O importante é fazer um estudo dos perfis da sua equipe, quais são as qualidades e pontos de melhoria de cada profissional e como cada um pode ajudar o escritório a crescer.

Busque potencializar os pontos fortes de cada profissional. Pessoas se sentem felizes quando trabalham com coisas que estimulam suas qualidades e talentos e o seu escritório pode ganhar muito mais quando identificar os talentos de cada advogado e incentiva-lo a trabalhar naquilo que ele é bom e sente prazer em fazer. Se você tem um profissional que é muito bom em lidar com pessoas, p. Ex., ele pode ser muito bem aproveitado para liderar equipes e se relacionar com clientes. Ao passo que, se esse mesmo profissional for colocado numa função em que ele não seja desafiado a utilizar todo o seu potencial no grau máximo, certamente se sentirá desmotivado e frustrado com o tempo.

“É muito mais lucrativo e divertido alavancar seus pontos fortes em vez de tentar consertar todas as rachaduras na sua armadura.” - Timothy Ferris

2. Promova recompensas motivadoras

Somente o pagamento de um salário no fim do mês não serve como estímulo para que seus advogados desejem permanecer no escritório. Todo ser humano possui outras necessidades que precisam ser preenchidas e satisfeitas para que ele se sinta valorizado.

Portanto, reconheça aquele advogado que investe em formação por conta própria, oferecendo uma ajuda de custo em cursos e pós-graduação. Institua um plano de bônus àqueles profissionais que se destacaram por melhor desempenho e incentive a troca de conhecimento entre os profissionais do escritório promovendo um ciclo de palestras e treinamentos internos.

3. Incentive as relações interpessoais

O relacionamento entre colegas de trabalho e entre advogados e sócios deve ser incentivada e não apenas se restringir à confraternização de fim de ano. Promova almoços com toda a equipe uma vez por mês ou eventos do escritório a cada trimestre para incentivar o convívio entre todos os seus funcionários.

4. Incentive a comunicação e a participação da equipe nas tomadas de decisões

Um dos maiores ativos do seu escritório é o capital humano. Um bom líder é aquele que sabe como fazer a sua equipe trabalhar com entusiasmo para atingir objetivos comuns. Assim, quanto mais você estimular a comunicação e a participação da sua equipe nas tomadas de decisões, mais comprometidos e responsáveis eles serão com você e o escritório.

5. Crie alternativas de trabalho homeoffice

Esse tipo de alternativa não funciona para todo mundo, pois algumas pessoas não possuem disciplina para trabalhar em casa.

Contudo, há profissionais que são muito mais produtivos ao trabalharem de casa, sem ter que perder horas no trânsito ou serem distraídos por outros colegas do escritório. Por isso é importante você conhecer o perfil de cada um e dar essa possibilidade àquele profissional que desejar fazer uma alternativa homeoffice alguns dias da semana. É claro que ao conceder esse tipo de alternativa ao advogado, você deve previamente estabelecer com ele metas de produtividade e monitorar o seu desempenho a fim de avaliar se esse tipo de alternativa está sendo bem aproveitada pelo profissional.

Ao conceder esse tipo de alternativa, o profissional fica mais satisfeito, especialmente aquele que mora longe, pois poderá ter mais tempo para dar atenção a outras áreas da vida que possam estar negligenciadas, se sente mais motivado e produtivo, gerando mais valor para o escritório.

6. Promova programas de treinamentos

Reconheça os gaps da sua equipe e promova programas de treinamentos para suprir as deficiências. Toda e qualquer habilidade pode ser aprendida. Invista em treinamentos de liderança, vendas, oratória, PNL e coaching. Quanto mais treinada e qualificada for a sua equipe, melhores serão os resultados do seu escritório.

7. Tenha um plano de carreira bem definido

Um dos maiores motivos que leva advogados a saírem de escritórios é a falta de um plano de carreira bem definido. Ora, é fundamental que as pessoas que trabalham para você saibam como seus esforços e sacrifícios serão recompensados. Trabalhar sem perspectivas de futuro deixa qualquer pessoa desmotivada.

Se você já adota algumas ou todas essas dicas em seu escritório, parabéns! Caso você não adote ou ache perda de tempo tudo isso, permita-se uma reflexão sobre o assunto.

Existe uma velha frase que diz, “a mudança não leva necessariamente a algo melhor; mas se desejamos algo melhor precisamos necessariamente da mudança.”

Gostou do texto? Curta, comente e compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Siga a minha fanpage: www.facebook.com/lisandrathomecoaching

Instagram: @inovaadvocacia

Entre em contato contato@lisandrathome.com.br ou me adicione no LinkedIn

Informações relacionadas

SAJ ADV - Software Jurídico, Redator de Textos Técnicos
Artigoshá 7 anos

3 desafios que enfrentamos na gestão de escritórios de advocacia

Montax Inteligência, Representante Comercial
Artigoshá 5 anos

Inteligência para diretores jurídicos de bancos, os super advogados mais bem pagos do Brasil

Matheus Adriano Paulo, Advogado
Artigosano passado

Quais são as preocupações que você deve ter dentro do escritório de advocacia?

Winicius Lima, Advogado
Artigoshá 6 anos

Missão, Visão e Valores de um escritório de advocacia. Como criar?

Blog do Jusbrasil
Artigosano passado

[kit] Gestão para pequenos e médios escritórios de advocacia

6 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Escritórios de Advocacia, como "grandes empresas jurídicas" devem fazer a retenção de talentos, não apenas pela recompensa financeira, mas pela satisfação pessoal integral. O Ser humano tende a ser fiel ao que lhe apraz, sendo sua atividade laborativa prazerosa e motivadora, não há motivos para aventuras em escritórios alheios. Ao menos penso assim e me comporto dessa forma ante oportunidades de sucesso. continuar lendo

É só remunerar melhor, ponto. continuar lendo

Discordo. Saí de um escritório que pagava acima do mercado. Não só eu como muitos colegas, e continuam saindo. Isso por que não possui plano de carreira, todos são tratados com autoritarismo, e tudo o que mais este artigo fala. Até parece que a autora já trabalhou lá. continuar lendo

É só remunerar melhor, ponto. continuar lendo

Concordo com o artigo. Só para acrescentar, os donos de escritórios deveriam olhar mais para o estagiários, pois são peças fundamentais no bom andamento do escritório.

Já tive o desprazer de trabalhar com pessoas que além de odiar estagiários, os maltratava, tinha (ainda deve ter) um ego maior que um dinossauro, não aceitava sugestões de nada, era um militarismo total.

Em contrapartida, trabalhei em um outro escritório que, além de me pagar muito bem, me tratava com dignidade, não como "um simples estagiário", o que fez com que eu desenvolvesse em muita coisa, inclusive escrita. Neste mesmo escritório eu já ouvi um dos donos falarem que os estagiários são os olhos do escritório na rua (fórum e demais repartições), por isso, tinham que ter autonomia para trabalhar e produzir o melhor resultado possível.

Trabalhei num escritório que o dono odiava o termo "estagiário", porque na prática, isso tem servido só para humilhar os advogados em potencial. Neste escritório eu tinha tanta autonomia, que já tinha aprendido até a fazer o atendimento dos clientes, entre outras coisas. Esse advogado não é mais o meu chefe, e mesmo não trabalhando para ele, continuo fazendo seus serviços como parceiro, e ainda de quebra me deixa utilizar o escritório como se fosse meu.

No mais, belo artigo. continuar lendo